O que é Big Mac Index?

Você conhece o Big Mac Index?

O índice Big Mac foi inventado pela famosa revista The Economist em 1986 como um guia para saber se as moedas mundiais estão em seu nível “correto”, ou seja, não estão muito valorizadas nem desvalorizadas com relação ao dólar.

Ele é baseado na teoria da paridade do poder aquisitivo dos países, o qual diz que a longo prazo as taxas de câmbio devem se mover em direção ao valor que equalizaria os preços de um produto idêntico de bens e/ou serviços – neste caso, um hambúrguer – em quaisquer dois países.

Ficou difícil de entender? O exemplo ajuda.

Por exemplo, o preço médio de um Big Mac nos Estados Unidos em janeiro 2016 foi de US$ 4,93, já na China foi apenas US$ 2,68, utilizando a taxa de câmbio na mesma época. Assim, o Big Mac Index diz que o yuan estava desvalorizado em 46% naquela época.

Importante ressaltar que o índice não é um indicador preciso do desalinhamento cambial, apenas uma ferramenta simplista para fazer a teoria das taxas de câmbio mais acessível. No entanto, o Big Mac Index se tornou um padrão global, incluído em vários manuais de economia e objeto de pelo menos 20 estudos acadêmicos, segundo o site da revista The Economist

Após toda essa explicação econômica, no que o índice pode te ajudar nas viagens?

Big Mac Index no Turísmo

big mac index mapaApesar de o intuito original do índice ser avaliar as taxas de câmbio entre os países, ele acaba revelando também o custo de alimentação em diferentes lugares do planeta.

Ora, se um Big Mac é uma refeição rápida em qualquer lugar do mundo a tendência é que o percentual de diferença de valor entre ela seja a mesma do que em refeições mais elaboradas e com isso podemos utilizar o índice para saber se é caro ou barato se alimentar naquele país.

Vamos a mais um exemplo?

Outro exemplo para ajudar nosso entendimento. Em janeiro de 2016, no Brasil o hambúrguer custava US$3,35 e no Chile US$2,94 o que dá uma diferença de aproximadamente 13%, com isso podemos supor que as refeições no Chile são em média 13% mais baratas do que no Brasil. Já no Uruguai o valor do Big Mac era de US$3.74, em torno de 11% mais caro do que no nosso país.

Com isso, podemos admitir que em uma viagem ao Chile teremos refeições no mesmo nível do que no Brasil por um preço mais baixo, já no Uruguai gastarei comparativamente mais dinheiro para me alimentar.

Veja agora a relação completa dos países pesquisados no Big Mac Index.

big mac index

Analisando o índice o país com alimentação mais cara seria a Suíça e o mais barato a Venezuela.

Tomando o Brasil como base, destinos famosos com alimentação mais barata incluem Tailândia, Chile, Peru, Filipinas, Colômbia, Argentina, Egito e Africa do Sul.

Já países em que gastaríamos proporcionalmente mais dinheiro em refeições semelhantes incluem Turquia, Uruguai, Austrália, Costa Rica, Israel, Estados Unidos, Canada e toda a zona do Euro.

Ao todo são 55 países pesquisados além de  todo o bloco da zona do Euro o que nos entrega 56 registros totais.

O índice é atualizado semestralmente pela revista e nós vamos te atualizando aqui pelo site. Mais detalhes e gráficos interativos você pode encontrar no site oficial do índice.

Gostou das dicas? Já usou ou pretende utilizar o índice para balizar os gastos da sua viagem? Comente e faça perguntas abaixo e não se esqueça de se inscrever no canal do YouTube.

Veja outras áreas no site como Noticias Roteiros.

%d blogueiros gostam disto: